Notícias Gerais do Segmento

 

Algumas Reflexões Motivadas pelo Acidente com o Duto de Gasolina no México (Jan. 2019)

Luiz Fernando Seixas de Oliveira

Um acidente como este causa enorme consternação em todo o mundo. Todos pensamos nas vidas bruscamente interrompidas pelo acidente e pela enorme dor que causa nas famílias afetadas. Tenho certeza que, quanto a isso, estou falando por todos os associados da ABRISCO.

Como profissionais de análise e gerenciamento de risco, não devemos deixar passar em branco uma tragédia como esta. O mínimo que podemos fazer é tentar aprender o máximo que pudermos com o ocorrido e utilizar essas lições aprendidas para aprimorar as nossas técnicas de análise, bem como os nossos métodos e procedimentos de gestão de riscos de processo. É com este objetivo que estou colocando essas primeiras ideias neste documento. Espero com isso estimular as discussões para o nosso aprimoramento técnico e gerencial, visando reduzir a probabilidade e as consequências (ou seja, o risco) desse tipo de acidente no Brasil e no mundo.

Seguem abaixo algumas reflexões técnicas e algumas gerenciais motivadas pelo que pude observar até agora do que ocorreu neste trágico acidente com o duto de gasolina no México. De um modo geral, as ideias ainda não estão bem pensadas, mas as estou colocando aqui para incentivar mais discussões sobre o assunto. Estou escrevendo sem grandes preocupações de montar um texto que tenha grande fluência e total coerência. Mais ou menos estou escrevendo como as ideias estão aparecendo na minha cabeça, sem um ordenamento bem estruturado, por isso, peço que me desculpem se algumas ideias não estiverem totalmente claras e coerentes. O fato é que também ainda não as tenho claras e coerentes na minha cabeça.

Coloco inicialmente algumas questões que considero interessantes para uma reflexão do ponto de vista técnico, tendo em vista as práticas de simulação e avaliação de cenários como esse nas nossas análises de risco. Em seguida, faço algumas reflexões sobre as medidas gerenciais de controle ou mitigação de um acidente semelhante aqui no Brasil.

Algumas questões técnicas (os valores indicados são apenas estimativas preliminares mais ou menos grosseiras):

  • Quais foram as dimensões da poça de gasolina formada no solo?
    • A partir das marcações que fiz na foto aérea do local mostrada na Figura 1, chego à conclusão que a poça de gasolina teve entre 60 e 85 m de comprimento (trecho horizontal marcado em vermelho) por 10 a 12 m de largura, correspondente a uma área de 600 a 1000 m2 ou a uma poça circular de 30 m de diâmetro.
  • Ainda não fiz nenhuma simulação com o SAFETI para ver que dimensões obteria para uma nuvem de gasolina a partir desta poça ou o próprio fluxo térmico da poça uma vez ocorrida a ignição. Mas é interessante observar a partir das fotos anteriores e posteriores à ignição da nuvem que havia muita movimentação de pessoas e veículos nas estradas que passavam em volta da região do acidente, mas não dá para se precisar o número. Por essas fotos, parece que a nuvem de vapor de gasolina não tenha chegado a um alcance máximo maior do que uns 50 metros. Pelos efeitos na grama e no solo nas proximidades da poça parece que o fluxo térmico de intensidade significativa não passou de uns 20 a 25 metros no máximo. Como disse, ainda não fiz as simulações desse acidente, mas tenho a impressão que os resultados das simulações serão maiores do que esses valores.

ESSE ARTIGO TEM 6 PÁGINAS. PARA ACESSAR O RESTANTE, BAIXE O ARQUIVO EM PDF QUE ESTÁ EM ANEXO. Obrigado.

Segundo autoridades mexicanas, o número de vítimas da explosão/incêndio ocorrida após o grande derrame de gasolina do oleoduto de Tuxpan-Tula já alcançou o chocante número de 90 mortes, contando ainda com cerca de 50 feridos. Devido à natureza do acidente, é esperado que o número de mortes venha a aumentar dentro de mais uns dias em decorrência da gravidade das queimaduras sofridas por muitos dos feridos.

O acidente, ocorrido na localidade de Tlahuelilpan no estado mexicano de Hidalgo situada a cerca de 90 km ao norte da Cidade do México, teve origem em uma derivação clandestina (“illegal tapping”) realizada por ladrões de combustível no referido gasoduto. Ao que tudo indica, o trabalho dos criminosos (conhecidos no México como “huachicoleros”) teria dado errado, originando assim o grande vazamento de gasolina. Em seguida, um grande grupo de populares das regiões circunvizinhas dirigiu-se ao local do derrame para apanhar a gasolina que derramava. Segundo testemunhas e as autoridades o número de pessoas no local chegou a ultrapassar a 600 pessoas, munidas de toda sorte de contentores, e que desafiavam o perigo no afã de reunir o máximo de gasolina para uso próprio ou para revenda no mercado alternativo.

O acidente começou por volta das 17:00 horas. Segundo informes iniciais de alguns sites mexicanos de notícia, apenas um grupo de 26 soldados do exército mexicano chegou ao local em cerca de 20 minutos após o informe da ocorrência do vazamento, mas os soldados não foram capazes de convencer a população a interromper o recolhimento de gasolina. A ignição dos vapores de gasolina ocorreu por volta das 19:00 horas, ou seja, mais de duas horas após o início do vazamento. A causa da ignição ainda não é conhecida e, nas circunstâncias em que ocorreu, pode ter sido causada por um grande número de possibilidades. O site de O Globo publicou agora à tarde, uma cronologia mais bem informada, oficialmente divulgadas pelas autoridades mexicanas. Segundo esta cronologia do incidente, a Secretaria de Defesa soube da ação ilegal às 14h30 de sexta-feira. Às 15h45, parte da população se aglomerou para pegar combustível no local, e militares pediram a eles, sem sucesso, que se retirassem. Às 17h, chegaram policiais e, meia hora depois, reforços da secretaria, que insistiram nos apelos de saída. Às 18h52, os bombeiros de Tlahuelilpan receberam o informe de incêndio. Ainda segundo a notícia daquele site, os responsáveis pela operação do duto (PEMEX) decidiram a princípio não parar o transporte pelo duto por considerarem o vazamento de pequena monta. Contrariamente ao que esperavam, o vazamento rapidamente aumentou de proporções. Quando ainda estava claro no local, alguns vídeos (ver a foto acima) mostram um jato de gasolina com cerca de 10 metros de altura. https://oglobo.globo.com/mundo/governo-do-mexico-soube-de-vazamento-de-gasolina-horas-antes-de-explosao-que-deixou-89-mortos-23388341

Este trágico acidente é o maior ocorrido até agora no México envolvendo dutos de transmissão de hidrocarbonetos. Em 2010 um acidente semelhante, também causado por ação criminosa de derivação clandestina, causou a morte de 29 pessoas nas proximidades da cidade de San Martín Texmelucan, no estado de Puebla. O pior de todos os acidentes no México envolvendo vazamentos em dutos foi o ocorrido em um duto de gás na Cidade de Guadalajara onde morreram mais de 250 pessoas e houve centenas de feridos. O gás vazado infiltrou-se pelo sistema de esgoto da cidade e deu origem a cerca de 10 explosões devastadoras em diferentes áreas da cidade https://en.wikipedia.org/wiki/1992_Guadalajara_explosions.

No Brasil, não podemos deixar de recordar do terrível acidente com um duto de gasolina na localidade de Vila Socó em Cubatão, ocorrido em fevereiro de 1984 (completando agora 35 anos da tragédia). Segundo o site da Cetesb, “o número oficial de mortos é de 93, porém algumas fontes citam um número extra-oficial superior a 500 vítimas fatais (baseado no número de alunos que deixou de comparecer à escola e a morte de famílias inteiras sem que ninguém reclamasse os corpos), dezenas de feridos e a destruição parcial da vila” https://cetesb.sp.gov.br/analise-risco-tecnologico/grandes-acidentes/vila-soco-cubatao/.

Outro acidente no Brasil com alguns elementos similares ao deste acidente no México foi o do descarrilamento de uma composição ferroviária transportando gasolina nas proximidades da cidade de Pojuca na Bahia em 31/08/1983. A similaridade fica por conta da coleta da gasolina derramada dos vagões acidentados pela população local (que transportava os baldes e galões para as suas casas nas proximidades da via férrea) e pela incapacidade das autoridades policiais em impedir a tempo as ações da população. https://pt.wikipedia.org/wiki/Descarrilamento_de_Pojuca

Apesar do grande número de acidentes envolvendo o transporte dutoviário de hidrocarbonetos e do seu potencial de danos entre a população, dados históricos de acidentes nos EUA e Canada mostram que por volume de material transportado, esse meio de transporte é o que apresenta menor risco para a população em comparação ao transporte por caminhões ou trens. Isso significa que outros tipos de transporte alternativo de hidrocarbonetos, tais como o rodoviário ou o ferroviário, apresentam riscos mais altos quando avaliados em massa equivalente de material transportado por distância (ton-km). Nos dois países citados, um grande derrame de gasolina causa um rápido afastamento das pessoas do local do acidente, enquanto que em países como o México e o Brasil, o efeito pode ser exatamente o contrário, mas isso se configura igualmente para grandes vazamentos de gasolina a partir de qualquer forma de transporte. Por outro lado, os vazamentos decorrentes de acidentes com caminhões-tanques não tendem a gerar esse efeito de aglomeração, pois as quantidades derramadas são muito menores.

Do ponto de vista da análise e do gerenciamento de risco, há vários aspectos interessantes a serem avaliados e aprendidos a partir da análise desse acidente no México. Um artigo com essas reflexões será publicado brevemente na seção de artigos do nosso site. Desde agora, fica aqui a pergunta: com o aumento do número de derivações clandestinas para roubo de combustível que vem ocorrendo recentemente no Brasil, quão próximos estamos da ocorrência de um acidente deste tipo e magnitude no nosso país?

Nota: Desde o início de dezembro passado, tomei a decisão de recomeçar a publicação de “notícias de acidentes” de processo no nosso site, interrompida desde agosto de 2017. Conforme já dito anteriormente, não há da parte da ABRISCO nenhum compromisso em publicar notícias sobre todos os acidentes de processo ocorridos no Brasil ou no exterior. A publicação será seletiva, como sempre foi, e também dependente da minha disponibilidade de tempo. Obviamente, qualquer associado que queira usar este espaço do site para publicação de notícias de acidente de interesse para a nossa comunidade profissional, pode fazê-lo, bastando para isso me enviar o artigo escrito com, pelo menos, uma foto ilustrativa do acidente. Todos os associados são fortemente encorajados a contribuir com notícias de acidente e notícias gerais para o nosso site. Por política editorial, somente publicamos notícias já divulgadas no noticiário de órgãos de imprensa considerados idôneos, e nunca em primeira mão. Procuramos não apenas repetir o noticiário já divulgado, mas também acrescentar um ou outro elemento de interesse para os nossos associados.

Luiz Fernando Seixas de Oliveira

Presidente da ABRISCO

Onde estamos

ABRISCO

Rua do Hospício, 194    Sala 1106

Boa Vista, Recife PE   CEP: 50060-080

Tel: (21) 98859-8800

Nossas Redes Sociais

pop congresso.v3